Anais do I Colóquio Semiótica das Mídias. vol. 1, nº 1. João Pessoa, PB: UFAL, 2012.

Signos na cidade, sentidos em movimento

Laura Guimarães Corrêa
UFMG

 

A pesquisa a ser apresentada busca analisar as inscrições praticadas pelos sujeitos comuns sobre a comunicação midiática nos espaços urbanos – peças publicitárias, placas de sinalização, logomarcas etc. Essas interferências reconfiguram sentidos por meio da adição ou supressão de signos, muitas vezes gerando discursos dissonantes e contraditórios. Problema de pesquisa - A publicidade é um sistema cultural e simbólico que organiza sentidos, oferece classificações, gera identificações. Em razão de sua lógica e de seu processo produtivo, há um filtro espesso no sistema publicitário que restringe e regula a emergência de discursos contra-hegemônicos. As construções discursivas que ocupam legalmente os espaços urbanos são, em sua maioria, a fala de grandes empresas ou de instituições governamentais. Historicamente, a recepção dos produtos publicitários não tem acontecido de forma passiva. Chamadas adbusting, subvertising, culture jamming, arte de guerrilha ou mesmo arte do cidadão, as práticas de interferência sobre a publicidade consistem numa reação à iconografia dominante. Buscamos investigar como se dá esse processo de (re)significação. Estágio de desenvolvimento - Na fase de apropriação inicial do material, foram feitas cerca de 250 fotografias de intervenções nas cidades de Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo em 2011 e 2012. Atualmente, estão sendo colhidas novas imagens e exploradas as possibilidades de agrupamento e análise dessa miríade de signos – icônicos, indiciais, simbólicos. Articulações com o tema do colóquio - Signos transgressores, ilegais e poéticos, inscritos sobre outros signos midiáticos preexistentes, evidenciam o caráter agonístico dos processos comunicacionais atuantes nas ruas. Há também espaços de afinidade e de vínculos que se formam nessas relações. O registro das interações imagéticas e textuais na superfície das cidades confirma o caráter dinâmico da comunicação. As práticas de escrita revelam momentos e movimentos da vida cotidiana, em camadas de signos e sentidos.