Anais do I Colóquio Semiótica das Mídias. vol. 1, nº 1. João Pessoa, PB: UFAL, 2012.

Estratégias de Interações no âmbito jornalismo: agendamento e contraagendamento no jornalismo: a rede social Twitter e o ciberativismo das pessoas com deficiência

Joana Belarmino
UFPB

 

O trabalho tem como objetivo central, refletir sobre as redes sociais como deflagradoras de uma nova ambiência para o ativismo social das pessoas com deficiência. Explora a concepção de “contraagendamento” proposta por Luís Martins da Silva, em diálogo com a hipótese do agenda seeting da escola funcionalista norteamericana. Analisa lutas sociais das pessoas com deficiência, contra-agendadas através do twitter, e que foram pautadas nos últimos meses pela grande mídia impressa. Resultante de pesquisa desenvolvida no Decomtur/UFPB, a investigação, nessa fase inicial, faz uma breve contextualização acerca dos movimentos sociais, sua trajetória recente, assim como discute modalidades de abordagem dos mesmos pela grande mídia comercial. Relocaliza dentro desse arcabouço dos movimentos sociais, o coletivo das pessoas com deficiência, conforme Boaventura de Souza Santos, “novos sujeitos coletivos”, em luta por sua cidadania. Reconhece a realidade de “invisibilidade” desses sujeitos na agenda da grande mídia e explora casos em que a sua atuação nas redes sociais, e mais particularmente no twitter,algumas vezes altera essa situação desvantajosa, obrigando a grande mídia a pautar algumas de suas demandas por acessibilidade a bens, produtos e serviços. A investigação entretanto, não se atenta unicamente à militância e ao ciberativismo nas redes sociais. Reconhece que tal como a maioria dos usuários do microblog, as pessoas com deficiência também se conectam para a conversação ligeira, a busca por informações, motivados pelo convívio social, o ”estar junto” ainda que virtualmente, ou mesmo para a divulgação de produtos de interesse comercial. Há aqui, toda uma “semiose” a ser desvendada,a qual fala de “sujeitos coletivos” imersos em processos de signos em ação, multiplicando-se, reproduzindo a imparável têia de sentidos significativos da cultura.