Anais do I Colóquio Semiótica das Mídias. vol. 1, nº 1. João Pessoa, PB: UFAL, 2012.

A construção do paraíso: relações interativas texto-leitor

Natalia de Sousa Aldrigue
UNISINOS

 

A disputa intensa pelas atenções do turista levou à necessidade do desenvolvimento da publicidade turística. Nela, há princípios que mais ou menos orientam o modo de se chamar a atenção, despertar o interesse, estimular o desejo, criar a convicção e induzir a ação, como, aliás, se encontra na obra de Vestergaard e Schorder (2000). Tais elementos integram o know-how do fazer publicitário para se chegar a objetivos, e que a eles, invariavelmente se associam fatores psicológicos embutidos em cada peça publicitária, em que os desejos, sonhos e devaneios são, por assim dizer, acionados pela estratégia textual para obter resultados satisfatórios. Fator de suma importância, aí, é a forma como os publicitários elaboram as modalidades através das quais o leitor/consumidor integram-se ao fluxo da mensagem publicitária turística, através de plataforma criativa que associa a linguagem verbal à imagem (a não verbal), que muitas vezes “conquistam” o publico para conhecer e se “extasiar” em algum destino – que é sempre apresentado em tons “paradisíacos”. A pesquisa que nos propomos realizar visa, justamente, a adentrar o universo da propaganda turística, para aí perceber e analisar as relações interativas que esta realiza com os sujeitos leitores/consumidores. E, para tanto, vamos utilizar algumas peças da propaganda turística do estado da Paraiba. Nosso interesse parte da necessidade de esclarecer aspectos, processos e relações fundamentais no universo social da propaganda turística, explorando as modalidades de como o texto publicitário prefigura a própria leitura que dele se faz, os efeitos de sentido gerados pela linguagem. Sabemos que as ações enunciativas das mídias geram efeitos e influência, pois não há discurso destituído de efeitos. Assim, que efeitos de sentido são produzidos através das mídias publicitárias, dos sites e dos cartazes, considerando-se a direção projetada e o fluxo de possibilidades de leitura que a imagem pode causar na propaganda turística diante dos sujeitos que fazem as interpretações, produções de sentidos? Partimos da concepção de que a enunciação, condição de produção a partir dos elementos sociais, históricos e políticos, é elemento capaz de nos orientar para dar à luz os processos de natureza interativa (presentes na composição e no estilo) que permeiam as linguagens verbais e não verbais nas mídias (sites e cartazes). Texto e imagem serão considerados em nossa investigação como integrados a uma trama de alto impacto, que ao produzir sentido, produz também emoções e prazeres.

 

Texto completo: PDF