Anais do I Colóquio Semiótica das Mídias. vol. 1, nº 1. João Pessoa, PB: UFAL, 2012.

Processos políticos na mídia televisiva: a herança biológica como causa determinante

Tatiana Gianordoli
NCE-USP/UFPE/MEC

 

Esta pesquisa dedicou-se a investigar a origem de comportamentos eleitorais, um dos quais tem caráter racional e outro, manifesto principalmente na mídia televisiva, voltado para a sedução do eleitor. Tem assim, como problema, a pergunta: qual a origem da natureza dos discursos utilizados nas campanhas políticas veiculadas na televisão e a eficácia comunicacional dos mesmos? As pontes buscadas entre os autores estudados e nosso contexto singular, pretenderam equacionar a conexão entre campanha eleitoral e natureza animal. As estratégias adotadas pelos políticos nesta ocasião e os aspectos acerca das campanhas eleitorais podem ser compreendidas em seus fundamentos a partir das informações existentes sobre o comportamento animal, estudadas na Etologia - biologia do comportamento - e na Biosemiótica – estudo da produção de ação e interpretação dos signos que ocorre na comunicação animal, de forma a compreendermos as características especificas do momento eleitoral e sua relação com a nossa evolução. Ressaltamos que a hipótese proposta não tem caráter reducionista (no sentido de propor explicações somente biológicas), mas, sim, tenta captar a complexidade evolutiva contida na transição do biológico ao psicossocial. Esta pesquisa adota metodologia teórico prática para testar sua hipótese, revelando que a compreensão dos processos comunicacionais, em particular, das campanhas políticas, é sempre apoiada na herança etológica típica de primata superior, uma vez que a componente mais primitiva do ser humano, de origem etológica, enaltece as estratégias de dominação nos espaços ocupados pelos políticos quando em campanha, em lugar do comportamento racional atribuído à espécie. Em suas discussões, encontrou os processos de comunicação na mídia política e os comportamentos comunicacionais explícitos, na figura dos candidatos, assim como aqueles implícitos, pertencentes à atuação dos agentes de marketing político. Dentro da área de comunicação e semiótica, este estudo, que reúne as áreas social e biológica, se apoia na teoria evolutiva darwinista e nas ciências da comunicação, para, se inserir numa linha de pesquisa voltada para a cultura e ambientes midiáticos.