Anais do I Colóquio Semiótica das Mídias. vol. 1, nº 1. João Pessoa, PB: UFAL, 2012.

Comunicação, televisão e ciberespaço: processos de produção, circulação e consumo em telejornalismo

Virgínia Sá Barreto
UFPB

 

O presente texto desenvolve algumas reflexões a respeito de uma pesquisa, ora em estágio inicial, que procura compreender, fundamentalmente, como as culturas jornalísticas e televisivas se inter-relacionam nos processos de produção, circulação e consumo de telejornais da TV comercial brasileira. Analisa telejornalismo como mediação cultural dos acontecimentos construídos nas relações entre culturas jornalísticas e culturas televisivas, entendendo cultura como processo de significação com Geertz, sob a perspectiva epistemológica de uma semiótica cultural. A investigação estuda processos de produção, circulação e consumo enquanto espaços indissociáveis e confluentes nos processos de significação em telejornalismo. Nesse sentido, aborda gêneros, propostas de pactos simbólicos e corporalidades como objeto de comunicação. Com efeito, tem-se o problema de pesquisa: como as configurações de gêneros, corporalidades e propostas de pactos simbólicos contribuem para produzir significados nos processos de produção, circulação e consumo dos telejornais de emissoras comerciais brasileiras? Estuda gêneros como estratégias de comunicabilidade com Bettetini e Martín-Barbero e propostas de pactos simbólicos como estratégias enunciativas de captura do receptor, um componente de vínculo entre a oferta e a demanda presente em qualquer discurso midiático que Verón e outros autores chamam de contrato de comunicação. No que tange às corporalidades, observa-se os vários sujeitos falantes do telejornalismo sob a mediação dos múltiplos recursos da forma significante da TV, ou seja, sua natureza audiovisual; corpos significantes ou, como diria Verón para nomear a problemática das condições enunciativas da kinésica da midiatização, corpos das imagens. Trata das relações entre televisão e ciberespaço, pondo em questão a circulação como participação extra-midiática das audiências. No caso desse texto, a temática telejornal SBT Brasil em sites, redes sociais e no youtube. Por fim, evidencia-se a articulação entre o texto com a temática do colóquio Semiótica das mídias, no sentido de que analisa processos de significação de produto midiático.