Anais do III Colóquio Semiótica das Mídias. vol. 3, nº 1. Japaratinga, AL: UFAL, 2014.

A comunhão dos opostos: a ONU e suas interpretações sobre indústrias criativas

João Martins Ladeira
Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOSo

 

Resumo

O artigo interpreta visões sobre indústrias criativas, abordando-as como uma forma de reavaliar um tema caro à modernidade: cultura. Interpreta-se a reorganização desta noção discutindo embates prévios sobre seu significado. Afirmada como um universo intelectual e moral distinto da experiência cotidiana, cultura congregou uma dicotomia entre arte e comércio, vida material e não material. Reintegrar tais distinções surge como tarefa assumida pela noção de indústrias criativas, que apresenta a inovação de associar a obtenção de benefícios materiais e ganhos intelectuais, lidando, de forma nova, com cultura como oportunidade para aprimoramento da condição humana em ambos os sentidos. Investigam-se duas propostas sobre indústrias criativas: a visão mercantil introduzida pela Inglaterra e a proposta cara à ONU, que associa desenvolvimento sustentável e diversidade cultural.

 

Abstract

The article analyzes visions about creative industries, interpreting them as possibilities to reevaluate a theme important to modernity: culture. It interprets the reorganization of that idea discussing the previous struggles about her significance. Defined as an intellectual and moral universe distinct from the quotidian experience, culture assembled a dichotomy between art and commerce, material and non-material life. To reintegrate that distinctions emerge as a task ascribed to the idea of creative industries, which presents the innovation of associating the achievement of material earnings and intellectual benefits, treating, in a new way, with culture as an opportunity to improve the human condition in both senses. Two visions about creative industries will be investigated: the mercantile vision introduced in England at the 90s and the proposal important to UN, which joins sustainable development and cultural diversity.

 

Texto completo: PDF