CISECO - Centro Internacional de Semiótica e Comunicação

:: Notícias

Midiatização, tecnologias e divulgação da ciência foram os temas em destaque no quarto dia de Pentálogo

 

Tárcila Cabral e Beatriz Carvalho

A nona edição do Pentálogo do Centro Internacional de Semiótica e Comunicação (Ciseco) chegou ao quarto dia de debates com discussões sobre midiatização e suas tecnologias e divulgação científica. A primeira conferência do dia foi proferida por  Gastón Cingolani, pesquisador da Universidade Nacional de las Artes, argumentado que discutiu temas como a conceitualização da democracia em aspectos de igualdade, convivência, representatividade e liberdade. Ele indicou que a democracia moderna constrói hoje um espetáculo centralizado, em que as representações costumam seguir aspectos da maioria. 

O acadêmico citou como exemplo um formato específico de programa televisivo com foco no comportamento, estilo de vida e entretenimento, o que tomou o segmento. Este modelo passou a ser adotado em outras temáticas sendo utilizado inclusive para abordar questões de teor político, porém com apresentadores que não demandam de conhecimento para o conteúdo. Cingolani indicou que  nesse segmento, com o uso das tecnologias e redes sociais os usuários na verdade não são livres, pois o sistema os limita. Os portais de notícias constroem um coro que os motivam a clicar nas notícias mais acessadas, compartilhadas, com mais imagens, estas são superfícies que induzem e redirecionam.

Uberização da Vida

Partindo para os diálogos em saúde no processo de ‘uberização’ da vida, Wilson Borges falou sobre a oligopolização de poder. Ele refletiu sobre como se deve pensar a democracia e o seu exercício, uma vez que há um quadro crescente de concentração dos meios massivos de comunicação o que conduz a um controle deste aglomerado. A proposta levantada para uma rede de saúde democrática é a criação de um plano de saúde popular, como uma estratégia ao sistema que se apresenta em colapso. 

O termo uberização vem fazer um paralelo através do conceito de possibilitar acesso a um serviço de qualidade, mas com um preço possível. O pesquisador da FioCruz citou que segundo o tratado político sobre o direito Natural do Homem de John Locke, sua teoria dá direito a vida, liberdade e propriedade. Ou seja, desde os primórdios existe uma ideologia de liberdade para empreender. A conjuntura neste caso permite que os cuidados e custos sejam equivalentes.

Ciência e Circulação discursiva

Coordenada por Ricardo Duarte, da Universidade Federal de Viçosa, a mesa “Cientista e Jornalista, a dupla hélice para compartilhar fazeres e democratizar saberes”, realizada por Carlos Alberto Santos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, foi norteada pela ideia de fazer jornalismo em páginas de boa ciência de letras compreensíveis. Para o pesquisador, há dificuldade no processo de popularização da ciência e do fazer da divulgação científica. De acordo com Carlos, “O que o cientista pensa do seu trabalho perde-se muito quando ele faz a exposição para a pessoa que não domina o corpo de conhecimento daquela área”. As revistas populares sobre ciência frequentemente apresentam informações erradas do ponto de vista científico, o que também gera preocupação.

Em sua conferência, Santos defendeu a aproximação entre jornalistas e cientistas na realização desse trabalho, buscando combater a pseudociência e frear sua divulgação, que vem ganhando espaço. Outro problema identificado por ele é a linguagem técnica dentro da explicação desses fenômenos: é preciso utilizar uma abordagem eficiente. “A equipe de jornalistas faz a mediação. Muitos cientistas não conseguem escrever para um grande público”, afirmou.

Finalizando a programação do dia, Suzanne Chevigné, do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS), apresentou a mesa “Mediatização e história da circulação de discursos sobre a ciência na França”, coordenada por Gastón Cingolani, da Universidad Nacional de las Artes, na Argentina. A pesquisadora identifica que as instituições científicas estão perdendo o controle do discurso ao longo dos anos, em processos que ocorrem desde o século XIX, colocando-a em descrédito ou pontuando mentiras e crenças como ciência. Dentre os ataques sofridos pelas instituições, estão as fake news, veículos falsos e a fraude. O discurso e a cobertura jornalística sobre ciência estão mudando, essas novas formas impactam sociedades democráticas.

 

Compartilhe!

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Todos os direitos reservados para CISECO - Centro Internacional de Semiótica e Comunicação

Top Desktop version